Warning: session_start(): Cannot send session cookie - headers already sent by (output started at /storage/ssd4/909/1073909/public_html/libraries/joomla/log/entry.php:1) in /storage/ssd4/909/1073909/public_html/libraries/joomla/session/session.php on line 531

Warning: session_start(): Cannot send session cache limiter - headers already sent (output started at /storage/ssd4/909/1073909/public_html/libraries/joomla/log/entry.php:1) in /storage/ssd4/909/1073909/public_html/libraries/joomla/session/session.php on line 531
A desafortunada Barca do Sal

A desafortunada Barca do Sal

Ao longo de décadas houve uma intensa navegação de vapores em extensão de 1.000 km do rio Parnaíba, da cidade de Parnaíba a Santa Filomena. Numa época em que ainda não havia o transporte rodoviário mecanizado, passageiros e mercadorias de importação e exportação circulavam nos atracadouros de cidades ribeirinhas como Teresina, Floriano, Amarante, Uruçuí, etc. 

Com o contínuo e avassalador desmatamento das margens do rio o assoreamento foi tornando esta navegação cada vez sofrível, pois os bancos de areia cada vez ocupavam inexoravelmente o canal do rio. O golpe de misericórdia foi a construção da Barragem de Boa Esperança, em Guadalupe, inaugurada em 1970, que represou grande volume das águas do Parnaíba, reduzindo o fluxo d’água a jusante. A política rodoviarista do regime militar sepultou de vez as possibilidades de retomada da antiga navegação no Velho Monge.

 bs1.jpg - 32.86 KB
ANTIGO VAPOR ANCORADO EM TERESINA. REPRODUÇÃO

No segundo Governo do engenheiro civil Alberto Silva (1918-2009), governador do Piauí de 1987 a 1991 a situação econômica do estado do Piauí era desesperadora. No sentido de incrementar a cambaleante economia estadual, Alberto Silva bolou um mirabolante projeto fluvial. Sendo um homem de visão extraordináriamente enérgicas e decisivas, notadamente no setor de obras civis e transportes, o governador planejou a construção de uma moderníssima barca fluvial, de grande porte, para melhorar nossos acanhados índices econômicos. Era a fabulosa e desafortunada Barca do Sal. 

Assim, em seu ultimo governo, ele pensou em reinserir o Rio Parnaíba na relação dos rios navegáveis do País. Isto significaria captar mais recursos para a manutenção da navegabilidade, gerando mais empregos e desenvolvimento econômico para o Estado. Para viabilizar sua ideia semifantasiosa teria que fazer um barco capacitado a descer rio abaixo e outro fazer a viagem inversa.

 bs2.jpg - 21.65 KB
UMA MULTIDÃO SE ACOTOVELA PARA OBSERVAR DE PERTO A BARCA DO SAL NO CAIS DO TROCA-TROCA, EM TERESINA. REPRODUÇÃO.

Para ter sucesso nesta empresa, teria que construir uma barca de altíssima tecnologia, que pudesse navegar em uma lâmina d´água de oitenta centímetros. Seria uma barca computadorizada capaz de detectar bancos de areia e que indicava o melhor caminho a seguir entre as águas. A ideia era fazer com que essa barca levasse sal de Luís Correia a Teresina, além de outros produtos. Silva imaginava que o sucesso do Projeto Barca do Sal poderia estimular a preservação e recuperação do Rio Parnaíba, ao mesmo tempo em que fomentava o progresso. A retomada da navegação do rio serviria, pois, como instrumento para alavancar a economia do Piauí. 

O projeto era de duas embarcações com 22,70m de comprimento cada, a ser construído no estaleiro de Igarassu, Parnaíba. Ambas de baixo calado para poderem enfrentar os bancos de areia ao longo do Rio Parnaíba. Seriam equipadas com sonares e outros modernos equipamentos de navegação. Solicitou os recursos ao BNDES, tendo como agentes financeiros o Banco do Estado do Piauí e o Banco do Nordeste.

 bs3.jpg - 18.47 KB
DETALHE DO CONVÉS DA BARCA DO SAL. ACERVO APL.

Como o Estado atravessava uma impiedosa crise financeira, a Barca do Sal foi duramente combatida por membros do governo e políticos da oposição. Muitos, contudo, se entusiasmaram com ela, principalmente populares, ainda embalados pelo otimismo exagerado de Alberto Silva. 

A primeira das duas barcas saiu do papel em 1988. Era chamada Comandante Fausto Fernandes e Silva. Construída com recursos financeiros formidáveis, sua característica marcante desde o início foram o improviso e o imprevisto. Esqueceu-se de certos detalhes fundamentais da obra, tais como o trilho que sustenta e daria condução a uma embarcação até a flutuação n’água.

Do estaleiro em Parnaíba, a barca foi colocada no rio Parnaíba e deveria navegar até a Capital, mas o que se fez foi literalmente arrastá-lo do litoral até Teresina. A embarcação não superou os bancos de areia formados no leito do rio. A areia era dragada por maquinário pesado e tratores colocados nas margens puxavam penosamente a barca, que demorou vários dias para chegar à Teresina. Um suplício para o que se pensou ser a redenção de nossa anêmica economia. Para se ter uma ideia, tamanha eram as dificuldades que a chegada da barca a Capital foi adiada três vezes.

 bs4.jpg - 33.01 KB
OUTRA IMAGEM DA BARCA DO SAL NO CAIS DO TROCA-TROCA, EM TERESINA. REPRODUÇÃO.

Construído o primeiro barco, foi convidada para fazer o batismo do mesmo a Primeira Dama, Marly Sarney, esposa do então presidente José Sarney. Cortada a faixa, o champanhe bateu no casco e empinou de volta sem quebrar. Estava selada a desgraça do Projeto, assim reza a lenda. Não por isso. A inexperiência dos executivos do Estaleiro era tanta, que não calcularam corretamente a altura necessária para romper o casco do champanhe. 

Seguiu-se então o lançamento da nave e os problemas se sucederam. O deslocamento não foi mais que 30 cm. Os trilhos não suportando o peso, selaram, formando uma superfície côncava. Para se conseguir lançar ao rio a embarcação, diversas foram as tentativas. Os críticos diziam que a barca teria que ter sempre a companhia de um trator às margens com cabos de aço para rebocá-la. 

Fracasso total, nunca transportou nada e os milhões gastos fugiram pelo ralo. A segunda barca obviamente nunca foi construída e barco infausto foi vendido na primeira gestão do governador Mão Santa (1995-98), provavelmente como sucata.

 Fontes:

Colombo para o Jornal da Parnaíba http://jornaldaparnaiba.blogspot.com.br/2011/04/o-porto-de-luis-correia-e-barca-do-sal.html 

Ricardo Luís - http://rlat05.blog.uol.com.br/arch2009-09-27_2009-10-03.html

Toni Rodrigues/Allisson Paixão http://180graus.com/politica/alberto-silva-deixa-grandes-obras-e-mais-alguns-elefantes-brancos-246342.html 

 

 

www.000webhost.com