Warning: session_start(): Cannot send session cookie - headers already sent by (output started at /storage/ssd4/909/1073909/public_html/libraries/joomla/log/entry.php:1) in /storage/ssd4/909/1073909/public_html/libraries/joomla/session/session.php on line 531

Warning: session_start(): Cannot send session cache limiter - headers already sent (output started at /storage/ssd4/909/1073909/public_html/libraries/joomla/log/entry.php:1) in /storage/ssd4/909/1073909/public_html/libraries/joomla/session/session.php on line 531
Lampião esteve no Piauí?

Lampião esteve no Piauí?

Não há brasileiro que nunca tenha ouvido falar de Virgulino Ferreira da Silva, vulgo Lampião (1898-1938), o cangaceiro pernambucano que fez tremer os sertões nordestinos entre os anos 1920 e 1938. Sua vida se confunde com a lenda, que brotou notadamente com sua morte em 28 de julho de 1938, na fazenda Angicos, situada no sertão de Sergipe.

Acusado de saques, assassinatos, torturas e estupros, a verdade é que nem tudo atribuído de nefasto a Virgulino foi praticado por ele, mas sim pelas famigeradas volantes policiais que o perseguiam, e eram compostas de homens tão rudes e violentos quanto os cangaceiros.

Também todo mundo sabe que apenas em dois estados nordestinos nunca o rei do cangaço pôs os pés: Piauí e Maranhão. 

Para o Piauí, Lampião jamais iria primeiro porque lhe era terra desconhecida e segundo porque era o Estado mais pobre, entre os pobres do nordeste (rdopombal.blogspot.com.br).

 lampio aa.jpg - 31.28 KB
  LAMPIÃO E MARIA BONITA. REPRODUÇÃO. 

Entretanto, há uma notícia na NET, de autoria não identificada, e que se disseminou rapidamente de que o famoso cangaceiro Lampião estivera no nosso Estado. Vejamos uma das notícias, veiculadas pelo portal Isto É:

“No auge de sua trajetória no cangaço, Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião, conseguiu com um bando de 50 homens afugentar 400 soldados que o perseguiam. O episódio deu-se no Piauí, em 1927, e ficou conhecido como a Batalha de Macambira. É o melhor exemplo do tino de estrategista do cangaceiro, cujo grupo estava prestes a se render, desprovido de montarias e armas, por causa de um violento combate anterior. Ao lembrar essa passagem no livro “De Olho em Lampião – Violência e Esperteza” (Claroenigma), a escritora e doutora em ciências políticas Isabel Lustosa sublinha a perspicácia de um dos personagens míticos da história brasileira no século XX. “

Não sabemos se esta autora cearense Isabel Lustosa (N.1955) em seu livro de 2011 captou esta informação de alguma fonte não conhecida ou se apenas também repetiu o que viu na NET.

Na verdade, o combate de Macambira por volta de 1927 aconteceu quase que exatamente como descrito acima, mas no Ceará, não no Piauí. Vejamos o que diz Ivan Alves & Nilson Lage:

“Por essa época, Virgulino fizera um acordo com o Governo do Ceará pelo qual não seria hostilizado em território cearense. Por isso, no dia 15 entrou em Limoeiro do Norte, a uns 70 quilômetros de Mossoró, levando seus reféns: o contingente de polícia se afastou e os chefes políticos mandaram matar um boi. O bando entrou na cidade dando vivas ao Ceará, ao Governador Moreira da Rocha e ao Padre Cícero. Distribuiu lembranças entre os moradores, fez compras nas lojas, recebeu de presente dois mil contos de réis e se deixou fotografar. Uma volante policial que entrou na cidade no dia seguinte, pelo contrário, espancou moradores e causou distúrbios. Ponto para Lampião.

“Uma tropa com soldados do Rio Grande do Norte, da Paraíba e alguns cearenses – 500 homens ao todo – conseguiu tocaiar o bando. Não feriu ninguém, mas tomou montarias e provisões dos cangaceiros. Num segundo ataque, dias depois, os policiais, embora enfrentassem um grupo pequeno de homens, quase sem munição, famintos e a pé, conseguiram ser derrotados, com muitas perdas. É que o talentoso Virgulino cessou o fogo em dado momento e atacou maciçamente quando a tropa avançou, deixando suas trincheiras. Assim foi a Batalha de Macambira, segundo o relato insuspeito do fazendeiro Gurgel e de D. Maria, que continuavam prisioneiros do Capitão Virgulino. Ambos foram libertados logo depois, e ainda receberam dinheiro para a viagem de volta. D. Maria contou que os cangaceiros a tratavam com consideração e carinho pelos seus 63 anos, e cuidavam que nada lhe faltasse, apesar das dificuldades sofridas pelo grupo entre o primeiro e o segundo combates com a Polícia.”

Portanto, o lendário combate ocorreu em terras cearenses, em Limoeiro do Norte e não no Piauí. A imagem abaixo foi tirada na época do combate de Macambira. Pode ter sido tomada um pouco antes ou pouco depois da luta.

 grupo.jpg - 36.07 KB
IMAGEM DO GRUPO DE LAMPIÃO NA CIDADE DE LIMOEIRO DO NORTE, CEARÁ, NO DIA 16 DE JUNHO DE 1927. CRÉDITOS: EDMILSON RODRIGUES DO Ó/ HTTP://CGRETALHOS.BLOGSPOT.COM.BR

No entanto, embora a fonte seja imprecisa, parece que a escritora não está só no caso, segundo o fotógrafo e escritor mineiro José Geraldo Aguiar (1950-2011) conta em seu livro "Lampião, o invencível - duas vidas, duas mortes" – (Thesaurus Editora, 2009). Depois de 17 anos de pesquisas, o escritor afirma que a morte do cangaceiro em Angicos não passou de uma farsa e que conviveu com Lampião durante cinco meses numa cidade de Minas Gerais, aonde o cangaceiro fugiu após ter passado pela Bahia, Piauí, até que, em 1950, com Maria Bonita, se estabeleceu em Minas. 

 cabea.jpg - 46.50 KB
  IMAGEM COLORIZADA DA CABEÇA DE LAMPIÃO. REPRODUÇÃO

 "Ele viveu na clandestinidade e chegou a ter 13 identidades falsas”, afirma o pesquisador, contando que quando morreu, Virgulino foi registrado como Antônio Maria da Conceição, mas em sua lápide se encontra escrito Antônio Teixeira Lima. Em "Lampião, o invencível", o autor relata supostos depoimentos do rei do Cangaço, narra com detalhes os seus encontros com ele e apresenta a foto abaixo, que seria Virgulino Lampião com 90 anos de idade.

 velho.jpg - 33.78 KB
  CAPA DO LIVRO DE JOSÉ GERALDO AGUIAR. REPRODUÇÃO

Segundo Aguiar, Lampião teria vivido como comerciante e fazendeiro no Norte de Minas, e morreu em 1993, aos 96 anos de idade, em Buritis (MG). Maria Bonita teria morrido no dia 3 de agosto de 1978.

Observa-se que a passagem de Lampião pelo Piauí é apenas um detalhe na teoria pouco crível de Aguiar. O foco de seu livro é que Lampião não morreu no massacre de Sergipe.

De qualquer maneira, o livro de Aguiar caiu no descredito quando se analisou a foto do pretenso Lampião em Minas Gerais. Era um senhor, já idoso, porém diferia anatomicamente de Lampião e nem tinha o olho furado como o rei do cangaço (Leandro Fernandes).

 os dois.jpg - 33.95 KB
  LAMPIÃO E SEU PRETENSO MISTÉRIO. REPRODUÇÃO

No livro “Os Verdes Anos Cinquenta”, escrito por um picoense, que descobrimos ser o economista Renato Duarte, livro publicado em 1991, segunda edição 1995, está escrito que um irmão de Lampião moraria em Picos, cidade do centro do Estado, e que o cangaceiro visitaria este irmão nas madrugadas. No nosso livro “Antiguidades Valencianas” (2000) publicamos a história de uma senhora da cidade de Valença do Piauí, D. Luzia, que afirmava ser viúva de Ezequiel Ferreira, irmão de Lampião, que morava também com o irmão João Ferreira, em Picos. Isso é assunto para outra matéria...  

Na realidade, comprovadamente, só alguns jagunços e cangaceiros acorreram para a Ibiapaba e a região do município de Caracol-PI, no sudeste, porém não eram do bando de Lampião. Eram lutas decorrentes de disputas por terras ou maniçobais no início do século XX. 

Entretanto, lembrando Lampião, seu chefe, Sinhô Pereira (1896-1972), que futuramente teria no seu bando como subalterno o jovem Virgulino e depois renunciou em seu favor em 1922, chegou a trocar tiros com a polícia piauiense em 1918, na região do município de Caracol. Foi escorraçado do Piauí pela volante do tenente Zeca Rubens. Neste combate morreu um cangaceiro, de apelido Cacheado.

Os parentes de Lampião – seus irmãos, sobrinhos, primos – passaram a ser perseguidos por todo o Nordeste. Alguns, trazidos do Piauí, foram colocados sob regime de trabalhos forçados pelo Major Teófanes, segundo Ivan Alves & Nilson Lage.

Mas Lampião mesmo, até que se prove ao contrário, nunca pôs os pés no Piauí. Porém, para um homem que enganou as volantes por mais de 20 anos...

Fontes:

Duarte, Renato. Picos: os verdes anos cinquenta.  2. ed. rev. ampl. - Recife: [s.n.], 1995 (Gráf. Ed. Nordeste)

Fernandes, Leandro Cardoso. http://lampiaoaceso.blogspot.com.br

Ivan Alves & Nilson Lages. O padre e o cangaceiro: A história de Lampião e de Cícero Romão.

www.rdopombal.blogspot.com.br

www.istoe.com.br/reportagens/166039_LAMPIAO+PARA+INICIANTES

www.lampiaoaceso.blogspot.com.br 

http://tudonahistoria-deivison.blogspot.com.br/2011/01/lampiao-nao-morreu-em-1938.html

http://cgretalhos.blogspot.com.br 

 
www.000webhost.com