Artigos

O tesouro dos jesuítas

Distante uns 40 km da cidade de Oeiras, antiga capital da Província do Piauí, visitamos um conjunto de afloramentos areníticos do lugarejo Brejo, já próximo ao município de Nazaré do Piauí. O local é um extenso pediplano arenoso e pedregoso, típico de semiárido, com vegetação esturricada de caatinga.

As plantas são pequenas, tortuosas, de folhas pequenas e espinhentas. Destaca-se ali o faveiro, gameleira e cactáceas. Dado a inclemência climática e os solos incultos, o local é escassamente habitado. Uma pequena cascata, de uns seis metros de queda a pique, ameniza o calor dos excursionistas durante as curtas chuvas de verão.

Aquele relevo ruiniforme nos descortina com arcos, torres, a "pedra do sete", o "pinguim e o cachorro", além de outras formas curiosas e pitorescas de erosão. 

 j1 copy.jpg - 52.29 KB
 FANTÁSTICOS AFLORAMENTOS DO LUGAREJO BREJO

 j2 copy.jpg - 72.61 KB
 RELEVO RUINIFORME DO LUGAREJO BREJO

Na base de um boqueirão os sertanejos nos mostraram  um misterioso "portão de pedra", de origem natural. A abertura é abobadada e dá acesso a uma lúgubre e estreita caverna, onde pululam os irrequietos e fétidos morcegos. No lado esquerdo do túnel há uma estranha fenda vertical, entulhada artificialmente por pequenos blocos de pedra, que parecem intocados há séculos. 

 j3 copy.jpg - 71.53 KB
 A ENTRADA DO SUBTERRÂNEO.

Tudo indica que o entulhamento veda outro salão natural, de dimensões desconhecidas. O salão subterrâneo possui alguns “respiradouros”, talvez naturais, talvez artificiais.

 j4 copy.jpg - 51.06 KB
 UM DOS “RESPIRADOUROS” DO “SALÃO DOS JESUÍTAS”

O nosso guia, caboclo das redondezas, nos confidenciou a tradição corrente no lugarejo de que aquelas pedras, arrumadas em posição tão especial, foram colocadas ali por jesuítas para esconder alguma preciosidade, durante as perseguições pombalinas de 1759.

Pensam os crédulos sertanejos que ali haveria uma botija jesuítica, repleta de cobiçadas patacas de ouro e prata ou de reluzentes joias, à espera de algum explorador resoluto ou desencantador, decidido a remover o misterioso entulho pétreo.

Trata-se da velha tradição nordestina, que vê a presença inaciana em qualquer sinal anormal dos sertões, tipo pinturas rupestres, rochedos inusitados, cavernas, megalitos... Restaria saber o que os escassos jesuítas do Piauí-Colônia fariam em lugar tão ermo...

O avançado e penumbroso horário não nos permitiram uma investigação mais profunda naquele antro escabroso. O que seria mesmo encontrado ao se remover aqueles blocos empilhados da furna? Um reluzente tesouro ou carcomidos manuscritos? Ou talvez uma necrópole indígena? Ou talvez...

 

 

 

 

www.000webhost.com