Artigos

O enigma dos pimenteiras

Em 1850 praticamente já não mais existiam indígenas no Piauí, pelo menos vivendo no seu habitat natural. O que restava eram hordas degeneradas, doentes e alcoolizadas, verdadeiros farrapos humanos. O glorioso passado se fizera distante. O presente era um martírio. O futuro imediato seria a hecatombe final...

Tremembés, tabajaras, jaicós, acaroás, rodeleiros, timbiras e outros. E ainda suas subdivisões ou denominações locais variadas... Nada mais de uma época de liberdade. A cultura do homem branco se impôs, através do genocídio (extermínio físico) e do etnocídio (extermínio cultural). Quando muito, sobreviveram geneticamente na miscigenação com o português, gerando o caboclo piauiense.

pim01.jpg - 49.35 KB
FAMÍLIA DE ÍNDIOS PIAUIENSES DURANTE UMA CAÇA. FONTE: http://www.donodanoticia.com. O SITE NÃO INDICA O NOME DO AUTOR DO DESENHO.

Não havia uma só voz para defendê-los com veemência. Os colonos mais radicais apregoavam sua destruição sumária, como “animais” que impediriam o progresso, o devassamento e a formação dos currais... Os mais moderados dos conquistadores lhes exigiam a imediata adesão ao cristianismo e o aldeamento em missões religiosas. Duas formas diferentes pelas quais as culturas indígenas desapareceram rapidamente no Piauí.

 pim02-a.jpg - 39.08 KB
GUERRA DE EXTERMÍNIO INDÍGENA. FONTE: http://www.cabeceiraspiaui.com.br

O mais intrigante dos grupos indígenas que já percorreu o vasto hinterland piauiense foi, sem dúvida alguma, o dos pimenteiras. Habitavam as regiões das cabeceiras dos rios Piauí e Gurguéia, nos limites do Estado com a Bahia e Pernambuco. Suas aldeias se espalharam por terras dos atuais municípios de Jaicós, Caracol, São Raimundo Nonato, Parnaguá, Jerumenha, etc...

Os etnólogos têm dificuldades em classificar etnicamente os misteriosos pimenteiras. Geralmente, são incluídos no tronco dos caraíbas. Mas, como pouco se sabe sobre eles, qualquer tentativa neste sentido apresenta graves limitações. Na verdade, não sabemos muito sobre sua origem, língua e costumes. Nem mesmo o seu gentílico é de origem própria. Ou seja, não sabemos como eles se chamavam.

 pim02.jpg - 51.77 KB
O PINTOR ALEMÃO JOHANN MORITZ RUGENDAS (1802-1858) ASSIM RETRATOU UM ENCONTRO DE NATIVOS COM EUROPEUS.

Com efeito, a denominação pimenteiras é decorrente de um sítio onde primeiro foram contatados, nas cabeceiras do rio Piauí.

Nenhuma outra tribo indígena conhecia com profundidade os pimenteiras ou mantinha com eles estreito contato. Nem os acaroás, nem os gueguês, nem os jaicós e nem os que falavam a “língua geral” (tupi) os entendiam.

Segundo o historiador João Gabriel Batista (1920-2010), a história destes indígenas é diferente, pois ao contrário de outros povos nativos, eles falavam várias línguas brasílicas. Mas, qual era mesmo a língua deles? De onde vieram os pimenteiras? Curiosamente, a tradição resgatada pelo padre Aires de Casal (1754-1821) no início do século XIX aponta uma origem pernambucana para aqueles brasílicos. Segundo o religioso, os pimenteiras seriam –pelo menos em parte- descendentes de vários casais que viviam domesticados com os brancos na vizinhança de Cabrobó (Pernambuco), e que teriam desertado dali pelo ano de 1685 a fim de não acompanhar as bandeiras que faziam a preação aos seus companheiros de infortúnio.

 pim03.jpg - 52.20 KB
ALDEIA INDÍGENA EM MOMENTO DE PAZ, SEGUNDO O ALEMÃO MARTIUS (1794-1868).

Uma lenda faz os pimenteiras originários de uma misteriosa lagoa, a quem chamavam exatamente de Pimenteiras, até hoje nunca localizada com rigor. Ecos quase perdidos de tradições orais afirmam que os pimenteiras, assim com parte dos tremembés litorâneos eram indígenas brancos, descendentes de povos estrangeiros. O professor Gabriel Baptista parece levar muito a sério estas tradições.

Com efeito, em entrevista concedida ao jornal Meio Norte em 19 de abril de 1998, o pesquisador afirma que há uma lenda pela qual os pimenteiras seriam os últimos descendentes dos fenícios no Piauí. No nosso Estado teriam formado um centro cultural em Sete Cidades, dirigindo-se depois para Oeiras e ainda para São Raimundo Nonato, onde desapareceram. Haveria também um historiador alemão – que Baptista não cita - que conta sobre um cataclismo pelo qual os pimenteiras teriam migrado do Piauí para Pernambuco. Em 1760 eles teriam retornado ao Piauí, onde passaram a ser perseguidos pelo Tenente-coronel João do Rego Castelo Branco e por outros colonos.

Segundo o referido padre Casal, as primeiras notícias sobre os pimenteiras no Piauí datam de 1765. As suas hostilidades com os colonos teriam começado por causa de um dos seus cães, morto por colonos durante uma caçada, nas vizinhanças do Gurguéia. A partir daí, a existência dos nativos ficou registrada como uma feroz resistência ao massacre, movido por luso-brasileiros.

Em 1776 teve início a guerra de extermínio contra eles. Marchou de Oeiras a 1º de agosto uma forte expedição militar, sob o comando do implacável e sanguinário João do Rego Castelo Branco, com a incumbência de “aldear" os pimenteiras, liquidando os que resistissem ao domínio português.

No dizer do historiador José Martins Pereira de Alencastre (1831-1871), essa expedição foi tão infrutífera, que seus integrantes voltaram envergonhados, embora não totalmente desanimados.

Em 15 de abril de 1779, armou-se a segunda expedição do tenente-coronel, destinada a abater os pimenteiras, que devastavam os currais do sudeste da Capitania. Era composta por 134 homens, sendo 40 praças de cavalaria, acompanhados por nativos gueguês, acoroás e jaicós. Também acompanhavam o tropel dois filhos de Castelo Branco, Antônio e Félix, que se igualavam ao pai em crueldade e falta de misericórdia com os prisioneiros capturados. 

 pim04.jpg - 49.69 KB
EXTERMÍNIO DE BRASILÍNDIOS EM PINTURA DO ALEMÃO RUGENDAS.

Segundo Pereira da Costa (1851-1923), desta jornada o cruel comandante descreveu um “Diário dos mais Notáveis Acontecimentos da Guerra dos Pimenteiras. Ano 1779”. Lamentavelmente, um documento perdido.

Em 1783 partiu também de Oeiras a 3ª expedição contra os aguerridos pimenteiras, que pagavam com a vida a esperança de viver em liberdade como seus antepassados. Desta vez os Rego Castelo Banco conseguiram resultados mais satisfatórios, destruindo várias aldeias, fazendo muitos prisioneiros e espetando no alto das estacas as cabeças da maioria dos revoltosos.

Uma das mais tristes páginas de nossa história colonial foi esse conjunto de repressão exercida contra os pimenteiras. Obcecado pelo objetivo de descobrir supostas minas de ouro nas regiões ainda indevassadas do sul da Capitania, João do Rego Castelo Branco promoveu injustificável genocídio contra as populações indígenas.

Sob o pretexto de proteger as vilas e os currais dos ataques “bárbaros”, Castelo Branco promovia derramas e extorsões nos povoados e armava expedições rumo ao interior do território. Não esquecia, porém, de levar consigo batéias, mercúrio e outros instrumentos de mineração.

 pim05.jpg - 59.87 KB
PINTURA MOSTRANDO FAISCADORES DE OURO EM UM RIACHO. FONTE: HISTORIOGRAFIAMATOGROSSENSE.BLOGSPOT.COM

Acompanhado sempre de seus monstruosos filhos, Antônio e Félix, o tenente-coronel não hesitava em esfolar, esquartejar, estripar, queimar e empalar nativos, fossem guerreiros ou velhos, mulheres, crianças ou recém-nascidos. As cabeças dos guerreiros eram decepadas e exibidas como troféu, de preferência, as dos pimenteiras.

Segundo Alencastre, sempre na frustração de não encontrar o seu “El-Dorado” no Piauí, a crueldade dos Castelo Branco era abominável e incomensurável.

 pim06.jpg - 45.62 KB
A CRUELDADE DOS CASTELO BRANCO CONTRA OS PIMENTEIRAS ERAM ABSOLUTAMENTE INJUSTIFICÁVEIS. REPRODUÇÃO.

A 4ª grande expedição contra os pimenteiras foi dirigida por Ribeiro Soares  (? - ?) e Rocha  Bajão (? - ?), em 1784.

Em 1790 o governo enviou outra força repressiva contra os insurretos pimenteiras. Estes invadem, então, a fazenda Cavalheiro, nas nascentes do rio Piauí. Contra eles parte de Oeiras o capitão Rodrigues de Miranda (? - ?), acompanhado por 50 homens. Depois de aguerridos combates, conseguem capturar 11 pimenteiras. Nem os brancos da expedição que conheciam línguas indígenas e nem os jaicós que integravam o grupo conseguiram entender a desconhecida língua pimenteira.

 pim07.jpg - 43.20 KB
INDÍGENAS SENDO LEVADOS AO CATIVEIRO, SEGUNDO O FRANCÊS DEBRET(1768-1848).

As tréguas naturais eram por pouco tempo e originadas tanto pelos escassos recursos dos combatentes quanto pelas dificuldades de transporte e comunicações da época.

Em 1803 o governador Pedro José César de Meneses (? - ?) criou destacamentos especiais para reprimir os pimenteiras e outras tribos insurretas. Três anos após, os mesmos pimenteiras raptaram um filho do colonizador José Dias Soares (? - ?), da fazenda Jibóia, nas nascentes do rio Piauí.

Comovido com o drama de Dias Soares, o governador Carlos César Burlamaqui (1775-1844) patrocinou expedição comandada pelo pai do raptado para as cabeceiras do Piauí. Ali, em 1807, Soares atacou e massacrou muitos pimenteiras, no sítio Água Verde. No ano seguinte, foi até a lagoa Bonsucesso, onde efetuou vários ataques.

Já em 1810, o mesmo Dias Soares, comandando 200 homens, investiu na bacia do rio Piauí e capturou cerca de 60 pimenteiras.

Ainda naquele ano, a vila de Jerumenha foi alvo de ataques nativos, desesperados pelas atrocidades sofridas. Várias fazendas foram devastadas e muitos colonos massacrados. Também na mesma época a vila de Parnaguá, no extremo sul do território, foi atacada.

Em 1811 novamente os pimenteiras atacam Jerumenha e Parnaguá. Em 1813 foram dados erroneamente como extintos.

 pim08.jpg - 47.68 KB\
DETALHE DA VILA DE JERUMENHA EM MAPA DE 1850 DO VISCONDE J. DE VILLIERS DE L’ILLE ADAM. 

Em 1827, os últimos suspiros daquela que já foi uma tribo altiva, valente e organizada: alguns débeis ataques nas cabeceiras do rio Piauí.

No ano de 1850 já não havia mais nenhum guerreiro pimenteira ou de qualquer outra nação indígena no Piauí vivendo como tal. Os que não estavam miseravelmente aldeados viviam como serviçais ou serviam de concubinas entre os brancos. Muitas crianças foram adotadas e cristianizadas. Outros vagavam miseravelmente como mendigos e alcóolicos. Foi o fim de uma era...

 pim09.jpg - 52.65 KB
OS ÍNDIOS SOBREVIVENTES DO PIAUÍ FORAM ALDEADOS E CRISTIANIZADOS A FORÇA, COMO MOSTRA ESTA REDUÇÃO DE TAPUIAS NO SÉCULO XIX, NO BRASIL CENTRAL, EM AQUARELA DE RUGENDAS.

Nos últimos anos têm aparecido índios em vários municípios do Piauí. Este renascimento se deve aos incentivos financeiros que se dá a entidades ou associações reputadas como indígenas. Segundo o G1.GLOBO.COM o último senso demográfico do IBGE sobre a população indígena realizado em 2010 revelou que existem cerca de 3 mil índios no estado do Piauí. Deste número, 1.333 estariam vivendo na capital Teresina e os outros 1.611 moram no interior.

Para o cacique José Guilherme da Silva, 62 anos, da comunidade Itacoatiara dos Remanescentes Indígenas da cidade Piripiri, o número de índios tem aumentado no Estado, mas sua cultura está sendo dizimada.

 pim10.jpg - 29.56 KB
CACIQUE JOSÉ GUILHERME. ELE SE DIZ TABAJARA DA SERRA DA IBIAPABA, ESTANDO HÁ MAIS DE 40 ANOS EM PIRIPIRI-PI.

O cacique revela que na cidade de Piripiri vive atualmente cerca de 300 índios, mas que a falta de uma unidade tem provocado a destruição de sua cultura. Nós vivemos espalhados pelo subúrbio da cidade, não temos terras, emprego e a maioria dos descendentes da nossa etnia, os Tabajaras, vivem em situação de pobreza, revela José Guilherme.

Com todo respeito aos 300 que se dizem índios aqui em Piripiri e aos antropólogos que defendem a existência deles no Piauí, estamos ainda esperando para encontrar o primeiro nesta Cidade ou em qualquer outro lugar do Piauí. Se paramentar de indígena e possuir feições caboclas não torna ninguém indígena. A população piauiense é em grande parte de alta miscigenação, onde há uma forte contribuição indígena, que forjou o caboclo piauiense. Porém, daí a aparecer tantos índios...

Fontes:

Baptista, João Gabriel. Etnologia indígena piauiense. UFPI/APL, Teresina 1994.

Casal, Manuel Aires de. Corografia brasílica. Ed. Itatiaia, SP, 1976.

Costa, Francisco Augusto Pereira da. Cronologia histórica do estado do Piauí. Ed. Original de 1907. Segunda edição Editora Artenova, RJ, 1974.

Rugendas, Moritz. Malerische reise in brasilien. Mulhausen (Fr.) 1835.

http://g1.globo.com

 

www.000webhost.com