Warning: session_start(): Cannot send session cookie - headers already sent by (output started at /storage/ssd4/909/1073909/public_html/libraries/joomla/log/entry.php:1) in /storage/ssd4/909/1073909/public_html/libraries/joomla/session/session.php on line 531

Warning: session_start(): Cannot send session cache limiter - headers already sent (output started at /storage/ssd4/909/1073909/public_html/libraries/joomla/log/entry.php:1) in /storage/ssd4/909/1073909/public_html/libraries/joomla/session/session.php on line 531
Portal Piracuruca - Desvendando o Piauí

Artigos

A Capelinha de Maria das Graças, a Santa de Piripiri

Em data imprecisa dos anos 1970, um ônibus procedente de Parnaíba com destino a Teresina sofreu gravíssimo acidente na BR-343 em Piripiri, entre o atual Balão do Chico Jovem e o Posto da Polícia Rodoviária Federal. Dentre os passageiros sinistrados estava a jovem parnaibana Maria das Graças, com dezesseis anos, que ia a Teresina dar assistência a uma irmã que havia partejado.

 cap1b.jpg - 42.76 KB
IMAGEM ORBITAL MOSTRANDO A POSIÇÃO DA CAPELINHA ONDE OCORREU O DESASTRE ÀS MARGENS DA BR-343, EM RELAÇÃO AO BALÃO DO CHICO JOVEM (ENTRADA DE PIRIPIRI) E A POLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL.

Procedidos aos primeiros socorros com corpos mutilados e presos às ferragens, encontrou-se, já sem vida, a garota Maria das Graças, totalmente desfigurada pelo impacto e ferros retorcidos.  Não sendo possível transportá-la para sua cidade natal, foi providenciado o seu enterro no cemitério São Francisco em Piripiri. 

Resgatando pessoalmente o ocorrido através de exaustivas pesquisas, o historiador de Piripiri Evonaldo Andrade escreveu, referindo-se a pessoas de sua Cidade que atenderam aos acidentados:

Anita Moraes relata que Maria das Graças e sua irmã vinham num ônibus da Marimbá, que capotou no local onde fica a casinha. Todos os passageiros foram levados para o Posto de Saúde em que o Dr. Bandeira era médico e o Sr. Onias (pai da Anita) o enfermeiro. O Sr. Onias e sua esposa, a parteira Odília fizeram a limpeza dos corpos. Algumas pessoas sobreviveram. Entre elas, a irmã de Maria das Graças, que foi levada para a casa de Dona Maria Cornélio (já falecida), mãe da Professora Nilsa Araújo. 

Os parentes da falecida levaram sua irmã, mas o corpo de Maria das Graças foi sepultado no Cemitério São Francisco. 

Com o decorrer do tempo, a comoção com a trágica morte da garota não cessou e populares passaram a acender velas no local do sinistro. Dizem que milagres se sucederam com várias pessoas que ali fizeram suas preces. Então tomaram a atitude de no local do acidente construir uma capelinha em homenagem a Maria das Graças, que passou a ser objeto de romarias e preces, sendo sempre visitada por inúmeros devotos.

Diz Evonaldo Andrade:

Uma pessoa, dentre muitas que alcançaram milagres, mandou fazer o túmulo em sua homenagem. Recentemente, o túmulo foi restaurado e, na troca dos azulejos, a placa com as datas de nascimento e falecimento foi quebrada em minúsculos pedaços, perdendo-se assim, importantes informações. 

 cap2.jpg - 45.19 KB
DETALHE DA CAPELINHA VISTA PELA BR-343, MOSTRANDO UM NÍVEL DE TERRENO MAIS BAIXO.

 cap3.jpg - 77.60 KB
UMA ESCADARIA LEVA O DEVOTO DA BR-343 À CAPELINHA.

Como o nome da garota era Maria das Graças, o nome e a imagem da santa homônima foi dado à capela. 

 cap4.jpg - 59.79 KB
IMAGEM DA CAPELA N.S. DAS GRAÇAS.

Frontalmente à capelinha, entre a BR-343 e a construção, uma cruz de madeira a testa a religiosidade do local.

 cap5.jpg - 80.83 KB
CRUZ Á MARGEM DA CAPELINHA.

A capela é repartida em dois compartimentos: num deles estão livros, cadernos (devoção de estudantes), ex-votos, garrafas de água, imagens de N.S. das Graças, velas etc.; no segundo compartimento, o maior, além disto, tudo, um cenotáfio, já que a garota foi enterrada num cemitério de Piripiri e não ali, como alguns supõem pela presença do dito monumento. Retratos de crianças na parede parecem agradecer alguma graça alcançada.

 cap6.jpg - 51.49 KB
CADERNOS, GARRAFAS COM ÁGUA, EX-VOTOS, FLORES, IMAGENS, ETC.

 cap7.jpg - 44.61 KB
CENOTÁFIO EM HOMENAGEM A MARIA DAS GRAÇAS.

 cap7b.jpg - 55.74 KB
TÚMULO DA JOVEM NO CEMITÉRIO SÃO FRANCISCO EM PIRIPIRI, COBERTO DE TOCOS DE VELAS, CADERNOS, EX-VOTOS, ETC.

 cap8.jpg - 35.02 KB
NA PAREDE DO SALÃO PRINCIPAL FOTOS DE DUAS CRIANÇAS QUE PARECEM HAVER ALCANÇADO ALGUMA GRAÇA.

 cap9.jpg - 55.09 KB
A GRANDE QUANTIDADE DE TOCOS DE VELA ATESTA A DEVOÇÃO POPULAR A MARIA DAS GRAÇAS.

Na verdade não se sabe muito nem sobre a mocinha sinistrada e nem sobre o acidente propriamente dito. Nem o dia nem o mês nem o ano exato. Também não sabemos as circunstâncias do acidente, se foi um choque com outro veículo, tombamento do ônibus por motivos diversos, etc. A empresa Marimbá fazia a linha Parnaíba-Teresina.  O centenário e lúcido cidadão piripiriense Sr. Gérson Ribeiro de Carvalho nos disse que era um ônibus do tipo misto e que seguia o itinerário Teresina a Parnaíba, não o inverso.

O historiador piripiriense Evonaldo Andrade refere-se às dificuldades que se impuseram a uma matéria por ele realizada sobre o ocorrido. As informações eram desencontradas e imprecisas. Ainda assim o intelectual publicou admirável artigo sobre a “Santa de Piripiri” em 2012.

Fontes

Andrade, Evonaldo.  Maria das Graças, a santa de Piripiri. Publicado em 27/11/2012 na coluna Almanaque de Piripiri, site www.cliquepiriripiri.com.br. 

Ribeiro, Verônica & Nunes, Maria Cecília. Manifestações folclóricas: capelinha de Maria das Graças. Capítulo XV de Piauí: Formação-desenvolvimento-perspectivas. FUNDAPI, Teresina, 1995.

 
www.000webhost.com