Warning: session_start(): Cannot send session cookie - headers already sent by (output started at /storage/ssd4/909/1073909/public_html/libraries/joomla/log/entry.php:1) in /storage/ssd4/909/1073909/public_html/libraries/joomla/session/session.php on line 531

Warning: session_start(): Cannot send session cache limiter - headers already sent (output started at /storage/ssd4/909/1073909/public_html/libraries/joomla/log/entry.php:1) in /storage/ssd4/909/1073909/public_html/libraries/joomla/session/session.php on line 531
O comércio de escravos na antiga publicidade piauiense

O comércio de escravos na antiga publicidade piauiense

Na segunda metade de 1832 surgiu na antiga capital Oeiras o primeiro jornal Piauiense, chamado "O PIAUIENSE", do qual não nos restou nenhum exemplar. Possuímos cópias de exemplares do sexto jornal, de nome “O TELÉGRAFO”, também impresso em Oeiras na Tipografia Provincial em 1839.

 es01.jpg - 59.20 KB
EXEMPLAR Nº 1 DO JORNAL OEIRENSE “O TELÉGRAFO”, DE 7 DE NOVEMBRO DE 1839. 

Geralmente eram hebdomadários ou quinzenário destinados a transmitir notícias do Império ou órgãos republicanos, sempre com muitos ataques virulentos aos inimigos. De publicidade ou anúncios quase não há impressões. Porém, podemos reconhecer que os primeiros anúncios impressos referiam-se a escravos: recompensa Pela captura de escravos fugidos, compra e venda deles,  aluguéis, disputas judiciais sobre os proprietários dos mesmos, alforrias, etc. 

E o negócio de compra, venda e aluguel de escravos nesta época era altamente rentável. Segundo inventário feito em Oeiras-PI,  em 1842, citado por Falci (1995), um escravinho de um ano apenas chegava a valer o mesmo que 17 bois e um adulto valia cerca de 75. Isso, é claro, sempre atraiu para este ramo fazendeiros, comerciantes, políticos, etc. Não é surpresa, pois, que este comércio prosperasse também na mídia impressa. 

Podemos dizer que com este tipo de anúncio aí nasceu a nossa propaganda escrita.

 es02.jpg - 47.39 KB

O COMÉRCIO DE ESCRAVO SEMPRE FOI UMA RENDOSA FONTE DE LUCROS NO PIAUÍ ATÉ AS VÉSPERAS DA ABOLIÇÃO COMPLETA. ARTE DO PINTOR FRANCÊS DEBRET (1768-1848) MOSTRANDO UM MERCADO DE ESCRAVOS NO RIO DE JANEIRO.

Vejamos vários exemplos deste tipo de comércio, a partir de publicações mais antigas no Piauí.

 es03.jpg - 28.38 KB
ESTE ANÚNCIO FOI PUBLICADO EM OEIRAS. ESCRAVO OFICIAL NA ARTE DE FERREIRO ERA MUITO VALORIZADO NA ÉPOCA.  ERA UMA PROFISSÃO ESPECIALIZADA, POSSUINDO SEUS ARTÍFICES ALGUMAS REGALIAS EM RELAÇÃO AOS COMPANHEIROS DE INFORTÚNIO QUE SÓ POSSUÍAM A FORÇA BRUTA. PORTANTO O VALOR DA “PEÇA” ERA BEM MAIOR DO QUE UM ESCRAVO BRAÇAL COMUM.  ESTE CAPITÃO CESÁRIO CONRADO FOI AGRACIADO COM O TÍTULO IMPERIAL DE CAVALEIRO, DA ORDEM DE ROSA, SEGUNDO DECRETO IMPERIAL DE 02 DE DEZEMBRO DE 1844. FONTE DO ANÚNCIO: JORNAL “O GOVERNISTA”, OEIRAS 26-FEV-1848. 

 es04.jpg - 45.72 KB
FOTO ANÔNIMA DE ESCRAVO BARBEIRO CORTANDO O CABELO DE OUTRO, TALVEZ NO RIO DE JANEIRO OU SALVADOR. OBSERVEM QUE O BARBEIRO VESTE-SE DE MANEIRA MAIS FINA, COM UMA ESPÉCIE DE BATA OU PALETÓ. PORÉM A FALTA DE CALÇADOS REVELA QUE NÃO É UM HOMEM LIVRE. SEGUNDO FALCI (1995) EM TERESINA, CAPITAL DO ESTADO NÃO HÁ REGISTRO DESTA PROFISSÃO ENTRE OS ESCRAVOS.

 es05.jpg - 93.50 KB
ESTES IRMÃOS, ALÉM DE ESCRAVISTAS ERAM ANTIQUÁRIOS, COMERCIANTES, EXPORTADORES E VENDEDORES DE MIUDEZAS. OS ESCRAVOS QUE QUERIAM COMPRAR TINHAM QUE VIR SEM “DEFEITOS”. COMO ERAM REQUISITADOS MOÇOS, OU SEJA, ESCRAVOS JOVENS E MASCULINOS, PRESUME-SE QUE FOSSE PARA O TRABALHO PESADO. O DITO CAPITÃO MANOEL RAIMUNDO DA PAZ (N.1838-?) FOI VEREADOR DA CÂMARA MUNICIPAL DE TERESINA POR VOLTA DE 1878 E ERA UM RICO COMERCIANTE. PROFUNDAMENTE RELIGIOSO, ERA SECRETÁRIO DA CONFRAFIA “IRMANDADE DO NOSSO SENHOR BOM JESUS DOS PASSOS” E TAMBÉM VICE-PRESIDENTE DA JUNTA COMERCIAL EM TERESINA. SEU COMÉRCIO ERA “LOJA BRASILEIRA”, NA RUA PAISSANDU (NÃO CONFUNDIR COM “CASA BRASILEIRA”, QUE SE LOCALIZAVA NA PRAÇA SARAIVA). VENDIA DE CAMISAS INGLESAS A TÁBUAS PARA CONSTRUÇÕES, MEDICAMENTOS, PASSAS, FIGOS, BATATAS, ETC. E ESCRAVOS, NATURALMENTE...COM O FIM DA ESCRAVIDÃO FOI TAMBÉM INTENDENTE DE TERESINA DE 07.01.1893 A 07.01.1897.  ASSUMIU O GOVERNO ESTADUAL NO LUGAR DE ANÍSIO DE ABREU EM DEZEMBRO DE 05-DEZ-1909 A 15-MARÇO-1910. FONTE DO ANÚNCIO: JORNAL “O PIAUHY”, TERESINA 9 JANEIRO 1869.

 es06.jpg - 84.09 KB
ERA RELATIVAMENTE COMUM A HIPOTECA DE ESCRAVOS JUNTOS COM MORADIAS.  AQUI SE AVISA PARA NINGUÉM FAZER NEGÓCIOS COM O EX-ADMINISTRADOR DA CADEIA EM TERESINA, POSTERIORMENTE DELEGADO DE POLÍCIA E DEPOIS CAPITÃO DA 6º CIA. DO 4º BATALHÃO DE GUARDA NACIONAL DE BARRAS-PI, SR. FRANCISCO BENICIO DE CARVALHO E MELLO, QUE DE ALGUMA MANEIRA SE APOSSOU DO ESCRAVINHO CRIOULO DE NOVE ANOS DE NOME RAIMUNDO, FILHO DE UMA LIBERTA, E AINDA DE DUAS MORADIAS. O ESCRAVINHO JÁ TERIA SIDO COMPRADO E AS MORADIAS HIPOTECADAS PELOS NOVOS PROPRIETÁRIOS QUE PUBLICARAM O RECLAME. FONTE DO ANÚNCIO: JORNAL “O PIAUHY”, TERESINA, 04 DE FEVEREIRO DE 1871.

 es07.jpg - 205.95 KB
NESTE ANÚNCIO DOIS CIDADÃOS PROMOVERAM UMA EXECUÇÃO JUDICIAL DE CUNHO COMERCIAL A UM DEVEDOR DE NOME BERNARDO. CONFISCARAM 14 ESCRAVOS, DENTRE OS QUAIS A ESCRAVA JOSEPHA, 18 ANOS, BONITA E SEDUZIDA, QUE FUGIU DA CADEIA. O AZAR DOS “NEGOCIANTES DE GENTE” É QUE OS OUTROS 13 ESCRAVOS TAMBÉM FUGEIRAM DO DEPÓSITO ONDE ESTAVAM. CLARO QUE A MAIOR PARTE DEVE TER SIDO RECUPERADA, COM A EMISSÃO DE RECOMPENSAS. MAS SEM DÚVIDA FOI UM ALARDE E PREJUÍZO PARA OS ARREMATANTES. OBSERVEM QUE OS ESCRAVOS SEMPRE SÃO CLASSIFICADOS POR UM PRÉ-NOME, SEGUIDO DE SUA CONDIÇÃO DE COR: AFRICANO, PRETO, MULATO E CABRA. ESTAVAM “DEPOSITADOS” EM ALGUM CUBÍCULO COMO SE FAZ COM MERCADORIAS ILEGAIS APREENDIDAS. DOS EXECUTANTES COMERCIAIS, DESTE PREDERICO NÃO SABEMOS NADA; PORÉM ESTE FIRMINO ALVES DOS SANTOS, NEGOCIANTE ABASTADO, TERIA SIDO CORONEL CHEFE DE ESTADO MAIOR DO COMANDO SUPERIOR DA GUARDA NACIONAL DA PROVÍNCIA DO PIAUÍ, SENDO EXONERADO EM 1869. FOI TAMBÉM VICE-PROVEDOR DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE TERESINA. NOS JORNAIS ANTIGOS SÃO MUITOS OS ANÚNCIOS DE ESCRAVOS FUGIDOS AO SR. FIRMINO ALVES, PELO QUE SE DEDUZ UM PÉSSIMO TRATAMENTO AOS CATIVOS. FALECEU EM 03 DE JUNHO DE 1873. FONTE DO ANÚNCIO: O PIAUHY, TERESINA, 04 DE ABRIL DE 1871.

 es08.jpg - 84.89 KB
AQUI A DONA JOAQUINA, VIÚVA DE SEU VICTOR APELA AO PÚBLICO CONTRA A SUPOSTA PICARETAGEM DE SEU GENRO ROBERTO, TODOS RESIDENTES EM TERESINA, EM RELAÇÃO A UMA ESCRAVA DE NOME MARIA, QUE A ANUNCIANTE ALEGA A ELA PERTENCER E O SABIDO GENRO PROCURAVA VENDER. FONTE DO ANÚNCIO: JORNAL “O PIAUHY”, TERESINA 21 DE ABRIL DE 1871.

 es09.jpg - 56.86 KB
RUA DA ESTRELA ERA O ANTIGO NOME DA ATUAL RUA DESEMBARGADOR FREITAS.   ALI NAQUELE ENDEREÇO HAVIA UMA JOVEM ESCRAVA, DE 20 ANOS, PARA A VENDA, E UM ESCRAVINHO ADOLESCENTE DE 14 ANOS PARA ALUGAR. ISSO MESMO: O COMÉRCIO NÃO ERA SÓ A COMPRA E VENDA, MAS TAMBÉM HAVIA O ALUGUEL, QUE TAMBÉM ERA RENTÁVEL AOS PROPRIETÁRIOS. FONTE DO ANÚNCIO: JORNAL “O PIAUHY”, TERESINA, 27 DE OUTUBRO DE 1871.

 es10.jpg - 35.09 KB
HAVIA UMA DIVISÃO DE TRABALHO ENTRE OS ESCRAVOS SEM NENHUM CONHECIMENTO TÉCNICO E AQUELES QUE CONHECIAM ALGUM OFÍCIO, COMO FERREIROS, SAPATEIROS, CARPINTEIROS, ARTESÃOS, MÚSICOS, AUXILIARES DE ENFERMAGEM, OLEIROS ETC. ESTES ÚLTIMOS LEVAVAM A VIDA UM POUCO MENOS SOFRIDA QUE O RESTANTE DE SEUS COMPANHEIROS.  O MESMO PRIVILÉGIO HAVIA PARA OS ESCRAVOS DOMÉSTICOS, COZINHEIRAS E AMAS DE LEITE. NO PIAUÍ NÃO HAVIA GRANDES GRUPOS DE ESCRAVOS PERTENCENDO A UM MESMO FAZENDEIRO.  POUCOS POSSUÍAM MAIS DE 25, EXCEÇÃO FEITA AO FAMOSO MAGNATA DE PARNAÍBA SIMPLÍCIO DIAS DA SILVA (1773-1829) QUE CHEGOU A POSSUIR MAIS DE 400 ESCRAVOS. NA IMAGEM DO FRANCÊS DEBRET, O DURO TRABALHO NUMA MOENDA DE CANA DE AÇÚCAR.

 es11.jpg - 76.27 KB
NOVAMENTE NA ATUAL RUA DESEMBARGADOR FREITAS. A ESCRAVA CRIOULA É DESCRITA COMO BOA LAVANDEIRA E ENGOMADEIRA. TAMBÉM A ELA ERA ENTREGUE MERCADORIA PARA SEREM VENDIDAS DE MANEIRA AMBULANTE EM TABULEIROS, COMO DOCES, FRUTAS, RAPADURAS, ETC. FONTE DO ANÚNCIO: JORNAL “O PIAUHY”, TERESINA, 28 DE AGOSTO DE 1872.

 es12.jpg - 38.51 KB
ESCRAVAS VENDEDORAS DE CAJU. PINTURA DO FRANCÊS DEBRET. 

 es13.jpg - 51.62 KB
ESCRAVA VENDEDORA AMBULANTE. O LUCRO FICAVA TODO COM SEU DONO. REPRODUÇÃO.

 es14.jpg - 50.21 KB
COMO SE OBSERVA, ATÉ NAS LOJAS HAVIA O RENTÁVEL COMÉRCIO DE ESCRAVOS.  AQUI TEMOS O ANÚNCIO PUBLICADO PELO CAPITÃO, LOJISTA, DONO DE PADARIA, DONO DE AÇOUGUE, DONO DE LIVRARIA, DONO DE ESCRITÓRIO, DONO DE QUITANDA, DONO DE CASA DE COMISSÕES, DONO DE BOTEQUIN, SUBDELEGADO DE POLÍCIA, PROFESSOR DE FRANCÊS NO LICEU DE TERESINA, ESCRIVÃO DA COLETORIA, DEPUTADO PROVINCIAL, GERENTE DA COMPANHIA DE NAVEGAÇÃO A VAPOR, PROCURADOR DOS FEITOS DA FAZENDA E VEREADOR DE TERESINA MIGUEL DE SOUSA BORGES LEAL CASTELO BRANCO (1836-1887). UMA DAS MAIORES PERSONAGENS DA HISTÓRIA DO PIAUÍ ERA FILHO DO NÃO MENOS FAMOSO CHEFE BALAIO CAMPOMAIORENSE LÍVIO LOPES CASTELO BRANCO E SILVA (1813-1867). FOI MIGUEL BORGES QUE EM 1º DE MAIO DE 1882 FUNDOU O COLÉGIO DE NOSSA SENHORA DAS DORES, EM TERESINA, UM MARCO DE NOSSA EDUCAÇÃO. FONTE DO ANÚNCIO: JORNAL “O PIAUHY”, TERESINA, 11 DE NOVEMBRO DE 1872. 

 es15.jpg - 32.82 KB
E O MAJOR CHEFE DE POLÍCIA E VEREADOR DA CAPITAL OLEGÁRIO RIOS TINHA QUE SE AGRADAR DA APARÊNCIA DAS ESCRAVAS PARA COMPRÁ-LAS.  EX-GERENTE DA COMPANHIA DE VAPOR DO RIO PARNÁIBA E TAMBÉM COLETOR DAS RENDAS PROVINCIAIS, O CIDADÃO POSSUÍA EM TERESINA UMA LOJA QUE VENDIA DE TUDO QUE PODIA SE IMAGINAR. FONTE DO ANÚNCIO: JORNAL “O PIAUHY”, TERESINA, 16 DE NOVEMBRO DE  1872.

 es16.jpg - 57.87 KB
IMAGEM ANÔNIMA DE 1880 MOSTRANDO UMA ESCRAVA OU AMA DE LEITE LEVANDO UMA CRIANÇA BRANCA NAS COSTAS.

 es17.jpg - 60.35 KB
O VILLA-NOVA PROCURAVA ESCRAVOS BEM JOVENS, MAS SEM DEFEITOS E DE PREFERÊNCIA PRETOS. ISSO TALVEZ PORQUE OS ACHASSEM MAIS TRABALHADORES QUE OS MULATOS OU TALVEZ PORQUE EM CASO DE FUGA, FOSSEM MAIS FACILMENTE CAPTURADOS, JÁ QUE OS PARDOS OU MULATOS ERAM CONFUNDIDOS COM PESSOAS LIVRES OU ALFORRIADAS. FONTE DO ANÚNCIO: JORNAL “O PIAUHY”, TERESINA, 16 DE NOVEMBRO DE 1872.

 es18.jpg - 62.46 KB
PARECE QUE OS ESCRAVOS DO FRANCISCO MENDES ESTAVAM CONSUMINDO UMAS PINGAS E UNS DOCES NAS QUITANDAS E JOGANDO A CONTA PARA O PATRÃO. ASSIM O AVISO É QUE SÓ VENDAM A DINHEIRO, POIS O MESMO NÃO SE RESPONSABILIZARÁ PELOS CALOTES. FONTE DO ANÙNCIO: JORNAL “O PIAUHY”, TERESINA, 03 DE AGOSTO DE 1873.

 es19.jpg - 56.49 KB
O ANTÔNIO VILLA-NOVA LÁ DE AMARANTE PARECE QUE NÃO ERA MUITO EXPERIENTE NA COMPRA DE ESCRAVOS. CATIVOS COM 50 ANOS DE IDADE DFICILMENTE TERIAM SAÚDE E APTIDÃO PARA TRABALHAR MUITOS ANOS, TAMANHO O SOFRIMENTO QUE LHES ERAM IMPOSTO EM TODA SUA VIDA. A NÃO SER QUE PAGASSE BASEADO NA EXPECTATIVA DE VIDA QUE SUPOSTAMENTE TERIA O CINQUENTÃO. A PROPÓSITO, NA CIDADE DE AMARANTE, GRANDE EMPÓRIO COMERCIAL DAS MARGENS DO RIO PARNAÍBA, A MAIS “PORTUGUESA” DE NOSSAS CIDADES”, A INFLUÊNCIA ÉTNICA DOS POVOS NEGROS NA POPULAÇÃO É GRANDE. FONTE DO ANÚNCIO: JORNAL “A OPINIÃO CONSERVADORA”, TERESINA, 31 DE JANEIRO DE 1874.

 es20.jpg - 74.73 KB
ESSE É UM CASO COMPLICADO PARA  AS LEIS DA ÉPOCA. O JACINTO, MORADOR DE CAMPO MAIOR, CASOU SUA FILHA MARIA JOAQUINA COM O SR. FELICÍSSIMO. ACONTECE QUE O PAI DEU UMA ESCRAVA DE NOME RAIMUNDA PARA ACOMPANHAR SUA FILHA. COMO NÃO “TRANSFERIU” SEUS DIREITOS SOBRE A ESCRAVA PARA A FILHA, AS “CRIAS” QUE DELA ADVISSEM SERIAM DELE, JACINTO. ACONTECE QUE SEU GENRO LHE PASSOU A PERNA E VENDEU SEM SUA PERMISSÃO DUAS DAS QUATRO “CRIAS” PARIDAS PELA ESCRAVA RAIMUNDA. ALERTA O ANUNCIANTE QUE A VENDDA FOI ILEGAL E QUE NINGUÉM DEVE MAIS FAZER NEGÓCIOS ENVOLVENDO A FAMÍLIA ESCRAVA COM SEU GENRO FELICÍSSIMO. FONTE: JORNAL “A OPINIÃO CONSERVADORA”, TERESINA, 31 DE OUTUBRO DE 1874.

 es21.jpg - 45.73 KB
O MARTINS QUER ESCRAVOS SADIOS E BEM PARECIDOS. E COMPRA TAMBÉM PENAS DE EMA E CABELOS DE ANIMAIS. TUDO TRISTEMENTE MERCADORIAS. ESSE CIDADÃO, REPUTADO COMO HONRADO COMERCIANTE,  PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE TERESINA, TINHA SUA RESIDÊNCIA E LOJA DE ESTIVAS E MANTIMENTOS “AO TROCADÉRO” LOCALIZADA NA ANTIGA RUA BELLA, HOJE SENADOR TEODORO PACHECO. ALI TAMBÉM COMPRAVA PATACÕES E MOEDAS DE OURO. ERA EXTREMAMENTE RELIGIOSO, SEMPRE PARTICIPANDO DOS EVENTOS DO GÊNERO. FONTE DO ANÚNCIO: JORNAL “A ÉPOCA, TERESINA” 27 MAIO 1879.

es22.jpg - 50.26 KB
O JOÃO DA CRUZ ANUNCIA AQUI A COMPRA DE ESCRAVOS DE AMBOS OS SEXOS, COMO SEMPRE, PAGANDO BEM. DIZIA-SE MORADOR DA ANTIGA RUA GRANDE, HOJE RUA ÁLVARO MENDES.  FONTE: JORNAL “A ÉPOCA”, TERESINA, 28 DE JUNHO DE 1879.

 es23a.jpg - 72.55 KB
POUCO MENOS DE UM ANO, O MESMO JOÃO DA CRUZ DO ANÚNCIO ANBTERIOR, SE NÃO FOR UM HOMÔNIMO, AGORA JÁ MORA NA RUA PAISSANDÚ E NÃO MAIS NA RUA GRANDE.  ESTE NÃO FAZ QUESTÃO DE COR. E AINDA ESNOBA PARA QUE OS DONOS DOS CATIVOS APROVEITEM SUA ESTADA EM TERESINA, POIS COM A SUA SAÍDA SE VERÃO NA IMINÊNCIA DE VENDÊ-LOS MAIS BARATOS PARA OUTROS COMPRADORES. GRANDE COMERCIANTE... FONTE: JORNAL “A ÉPOCA”, TERESINA, 03 DE ABRIL DE 1880.

 es24.jpg - 35.41 KB
O FORTUNATO BASTOS PRECISAVA DE ESCRAVAS PARA SERVIÇOS DOMÉSTICOS. PELO JEITO MORAVA NUM PALACETE PORQUE PRECISAVA DE MEIA DÚZIA DELAS PARA SERVIÇOS DOMÉSTICOS. ERA UM COMERCIANTE PORTUGUÊS ATACADISTA, TALVEZ TROPEIRO, POIS COLOCOU UM ANÚNCIO NOUTRO JORNAL ONDE PROCURAVA COMPRAR DE UMA SÓ VEZ CEM BURROS, MESMO BRAVOS. FONTE: JORNAL “A ÉPOCA”, TERESINA 21 DE NOVEMBRO DE 1879.

Os leitores devem ter observado que citamos alguns dados biográficos dos brancos citados nos anúncios. Políticos, empresários, educadores, comerciantes, etc. Estes tinham prenome, nome e linhagem, portanto, biografia. Os escravos só possuíam o prenome. Seus nomes, se é que pode se chamar de nome eram na verdade epítetos: mulato, negro, cabrinha, etc. Portanto, deles não há História nem dados biográficos. Mesmo a gloriosa Esperança Garcia, que revolucionou os costumes escravistas ao escrever uma carta que se tornou famosa, pouco se sabe dela. Um fator significativo na identificação dos escravos eram seus defeitos físicos, geralmente ocasionados por maus tratos e trabalhos pesados ou mesmo marcas a ferro e fogo de seus donos.  A exceção era para cativos que adotavam os nomes de seus senhores, com sua permissão. Isso se tornou relativamente comum ao se aproximar  a abolição.

Muitos nunca se acostumam e parece que ficam sempre abismados em verem seres humanos confundidos com mercadorias, vendidos, comprados ou alugados. Explorados sem direito algum. Eram seres com alma como todos, porém, o fato de serem negros era interpretado por muitos como seres inferiores, brutos, passíveis, portanto de escravidão.

 es25.jpg - 55.07 KB
VISTA PARCIAL DE UM DOS CURRAIS CONSTRUÍDOS POR ESCRAVOS EM MEADOS DO SÉCULO XVIII NA FAZENDA SERRA NEGRA, AROAZES-PI.

Estas pessoas que os comercializavam ou usufruíam seus serviços eram pessoas comuns da época: comerciantes, políticos, donas de casa, artesãos, etc. Muitos eram pessoas educadas, idôneas, religiosas e de boa índole. Não devemos deixar fugir à nossa mente que aquele estado de direito, onde havia a escravidão legal, era uma questão de época. Era algo visto como absolutamente normal pela maioria esmagadoras dos livres.

Não podemos mensurar a personalidade nem a dignidade dos possuidores de escravos baseado em nossos padrões modernos. Haviam aqueles que tratavam seus cativos com certa dignidade e outros de maneira mais brutal. Porém em comum para todos era que a escravidão era absolutamente normal. Um dos anúncios a que nos referimos acima citava como comercializando escravos Miguel Borges Castelo Branco, humanista e educador de renome.

Mesmo aqueles clubes, grêmios e entidades abolicionistas que tanto lutaram pela abolição completa, ao consegui-la em 1888, parece que lavaram as mãos e encerraram suas atividades. Tinham alcançado seus objetivos. Porém os ex-escravos foram relegados á miséria mais absoluta, pois agora não havia mais quem se interessasse por eles.  Aqueles que não ficaram acolhidos na casa de ex-donos, vagueavam pelas praças e vilas sem emprego, sem especialização, vivendo de esmolas e de pequenos serviços braçais. A escravidão legal foi abolida, mas a divisão social não foi extinta. Supomos que os abolicionistas queriam quebrar os grilhões legais, porém não estavam interessados na vida dos pobres cativos após a Lei Áurea. Estes ditos abolicionistas, no meu entender, em sua maior parte, eram hipócritas.

Portanto, não podemos apenas condenar aquelas pessoas por algo que para nós hoje seria horrendo e arbitrário, mas para eles fez parte de uma época. O mesmo patrão que utilizava escravos em seus serviços domésticos ficaria horrorizado se pudesse saber que no nosso tempo atual pessoas do mesmo sexo poderiam se casar.

Portanto, uma criteriosa análise deve ser feito do que foi a escravidão, que não começou no Brasil nem através de europeus. É uma triste parte cultural multimilenar da história da humanidade.

Fonte: Falci, Miridan Brito Knox. Escravos do sertão. Fund. Cultural Mons. Chaves. Teresina, 1995.

 
www.000webhost.com