Velório alucinante em Sete Cidades

Vários causos arrepiantes passados nas famosas Sete Cidades do Piauí nos foram narrados por Dona Benedita, mística, rezadeira e profunda conhecedora dos mistérios deste mundo fabuloso de rochas bizarras. Apreciadora de uma Serrana, nós a entrevistamos algumas vezes no desaparecido bar do Zé Manú, na saída norte do Parque, rumo á cidade de Piracuruca. Colhemos seu depoimento no início de 2001, um mês antes de sua morte.

 ss01.jpg - 44.00 KB
DONA BENEDITA, CONHECEDORA DOS CAUSOS SOBRENATURAIS DE SETE CIDADES. 

Um destes causos nos lembra dos filmes de terror norte-americanos, com direito a telecinese e levitação, autêntico ambiente de poltergeist. Este estranho acontecimento se passou há mais de 50 anos, pouco antes de ter sido criado o Parque Nacional de Sete Cidades (1961). Naquela época existiam vários sítios particulares na atual Unidade de Conservação.

 ss02.jpg - 57.13 KB
NO ENTREMEIO DE BIZARROS AFLORAMENTOS ROCHOSOS MORAVAM MUITOS SITIANTES NAS SETE CIDADES DAS ANTIGAS.

Como as pessoas envolvidas neste horripilante relato ainda possuem muitos parentes nas cercanias do Parque, alguns inclusive nossos conhecidos, utilizaremos aqui nomes fictícios, exceção, é claro, para Dona Benedita. 

Eis o relato de Dona Benedita:

Há uns 40 anos (hoje mais de 50) a Dona Abigail (nome fictício) morreu, já bastante idosa. A notícia se espalhou pelas cercanias e muita gente foi para o velório. Veio gente de longe mesmo. Ela era muito conhecida e respeitada porque achava tudo para quem perdeu.

Não entendi bem. O que ela achava mesmo? Interrogamos.

Ela invocava as almas e achava qualquer coisa que a pessoa perdesse. Joias, documentos, animais e tudo mais. E também fazia casamentos, mesmo que uma das pessoas não quisesse. Ela amarrava as almas. Esse poder vinha com oração forte. As pessoas davam corte de fazenda para ela como pagamento pelos serviços. Na casa dela tinha um baú cheio destes tecidos.

Certo! E o que aconteceu no velório? – Perguntamos.

Eu fui a casa dela e a velha tava ali morta, estirada num caixão. Tinha duas de suas noras tomando café e confabulando na cozinha e eu fiquei com elas, depois de fazer o sinal da cruz e rezar um terço onde tava o corpo.

Aí no meio da conversa com elas, assim de repente, o pote da cozinha, que era enorme, fez puf, sem ninguém triscar nele. O pote abriu no meio, derramando água na cozinha toda. Tinha um prato na boca do pote e ele foi atirado com toda força nas minhas pernas. 

Sentindo dor, eu disse apavorada: Quebrou minhas pernas. Me destramelei toda. Aí todo mundo que tava na cozinha correu para a sala. Aí foi que vimos outra pintura que nos arrupiou todos. Só me alembro que me deu um frio na  espinha.

Quando o pote quebrou e teve o furdunço, com todo mundo correndo, só quem ficou ali parado foi o Aprígio (nome fictício), que era filho da velha. Ele tava ali parado, com os braços cruzados, ao lado do caixão. Aí, moço, duma vez, deu um redemunho danado. Foi ventania que num parava mais. Todo mundo corria pra todo lado, gritando e fazendo invocações para os santos. Só o Aprígio ficava parado, com os braços cruzados, ao lado da defunta. Aí eu disse pra mim mesma: Pronto, eu vou morrer aqui. E o redemunho aumentou tanto que minha cabeça ficou branquinha de terra. Aí o vento brabo saiu da casa e foi pro terreiro, levado pelo coisa-ruim. Parece que ia levando um horror de lata velha. Era zoada e furdunço demais. Na hora do redemunho a velha aluiu.

 ss03.jpg - 65.08 KB
IMAGEM DE UM FENÔMENO DE TELECINESE SUPOSTAMENTE OCORRIDO NA FRANÇA EM 1911. FONTE: WIKIPEDIA.ORG.

Aluiu? A senhora que dizer aluminou (iluminou)? – Indagamos.

Não, moço. Aluiu mesmo. Alevantou uns palmos acima do caixão.

Ah! A senhora está nos dizendo que a falecida levitou acima do caixão? – Perguntamos.

Isso mesmo. A velha aluiu na frente de todo mundo. Dizem que era o cão querendo levar o corpo dela.

 ss04.jpg - 26.65 KB
ILUSTRAÇÃO DE UMA LEVITAÇÃO. FONTE:  avidaelarga.com

Dona Benedita, algumas pessoas que nos confidenciaram o caso nos disseram que tudo isso ocorreu e o filho dela, parado impassivelmente com os braços parados em X não teve nenhuma reação, não teve medo nenhum. – Comentamos.

Não é verdade. Ele teve medo. Acontece que tinham muito respeito pela velha. Se achou na obrigação de ficar ali, zelando pela defunta. Tinha medo do tinhoso levar a velha.

E o que aconteceu depois? – Quisemos saber.

A velha abaixou de vez no caixão. Aí foi que o povo se acalmou mais, voltando para a sala. Era todo mundo fazendo o sinal da cruz e com o terço na mão. 

Aí o Aprígio mandou buscar uma canada de cachaça lá no Puçazeiro (lugarejo das cercanias) e chamou a gente para rezar. Queria segurar a velha para o tinhoso não levar.

E as rezas foram na base da serrana, Dona Benedita”? – Interrogamos.

Foi sim. Era para espantar o coisa ruim e não deixar mais ele voltar para querer levar a velha. Depois das orações e de umas beiçadas da serrana eu fui me deitar no quarto, embrulhadinha na rede. Eu ainda tava geladinha de medo. Assim adormeci pelo efeito da danada.

Convivemos por muitos anos com Aprígio, nome fictício do filho da defunta do velório alucinante. É claro que nunca tocamos no assunto com ele. Porém parece que ele puxou á mãe, pois é chegado a rezas e trabalhos.

Este estranho caso é conhecido por todos os moradores mais antigos do lugarejo Vamos Vendo, ao norte do Parque. Em geral as pessoas não costumam falar sobre o assunto, em respeito à família dos envolvidos.

Adaptado de nosso livro Arrepios e assombrações de Sete Cidades (2001).

 
www.000webhost.com